agosto 16, 2011

Em vantagem... mas sem segurança.

Apesar da vantagem na eliminatória confesso que este não era o desfecho ou a exibição que tinha em mente. Se é um facto que o Twente chegou à vantagem sem nada fazer por isso, não é menos verdade que na segunda parte muito fizeram para justificar a igualdade com que acabámos por chegar ao fim do jogo. Se não a atingiram mais cedo foi porque temos na baliza um autêntico REI ARTUR. Sem mácula.


Mas, e diga-se em abono da verdade, o Benfica passou a ser pouco mais do que inconsequente com a entrada de Saviola que, diga-se o que se disser, tem sido um jogador a menos nos últimos tempos. Poderiamos ter feito mais e melhor? Podiamos pois. Não foi por falta de espaços, na segunda parte, que o Benfica não chegou a um resultado mais dilatado. Pareceu-me, isso sim, que se deveu a falta de confiança nas próprias capacidades da equipa e, quiçá, alguma falta de trabalho de casa. Mas sobre isso se aferirá mais tarde.


No competo geral temos de considerar este como um resultado positivo... se soubermos rectificar os muitos erros que foram cometidos na Holanda e, já agora, em Barcelos.


Quantos aos meus MAIS e MENOS...


No MAIS terei de colocar, obrigatoriamente, Artur Morais, pela segurança que demonstra e consequente confiança que passa à equipa.


No MENOS, desculpem-me os eternos fãs, mas tenho de colocar Saviola que parece estar ou sem confiança ou demasiado conformado.

4 comentários:

João Oiveira disse...

Vais ter de levar com um fã de Saviola=)
Acho estranho que digam que entrou mal. É óbvio que é um jogador diferente de Aimar e quanto a mim não era ele que o Benfica precisava naquela altura. Precisava sim de segurar e ter a bola. Para isso penso que Matic tinha sido uma melhor opção.
Mas se estiveram atentos ao jogo Saviola isolou duas vezes Nolito na direita e ainda outros pormenores. Pena que Nolito tenha esse problema de só jogar com o pé direito porque com um jogador esquerdino pelo menos uma delas dava golo.
Quanto a mim essa análise que está a ser feita a Saviola deve-se mais ao que era preciso no jogo. E não era ele que era preciso naquela altura e naquela posição.

Luis Pepe disse...

Não tanto isso... mas sim o facto de que Saviola parece cansado. Os movimentos não lhe saem com fluência. Parece pesado. Não é, de todo, o mesmo Saviola da primeira época. Não demonstra frescura nos seus movimentos. O próprio Aimar, que esteve em duvida, dá mais em campo do que Saviola tem vindo a fazer. É só por isso que o coloco nos menos. E atenção, sou um admirador das qualidades de Saviola... mas ele tem de voltar a mostrar mais, como já o fez no SLB.

Jotas disse...

Na minha opinião, foi jogo que teve um Benfica com bons momentos e outros que revelaram algumas fragilidades defensivas preocupantes.
Se por um lado, se viu um Benfica forte e criativo no ataque, com belos momentos ofensivos, onde se destaca a jogada do 2º golo, Por outro lado revelou imensas dificuldades em estancar o jogo ofensivo do adversário, especialmente no meio campo, algo que já havia sido visto em Barcelos e que é urgente melhorar.
De qualquer modo, julgo que se viu um Benfica personalizado, que reagiu sempre muito bem aos revés do jogo, não se podendo esquecer, que isto é uma eliminatória a duas mãos e como tal, é também normal que a vencer ao intervalo, o Benfica se tenha preocupado em defender a vantagem no marcador, muitas vezes foi Jorge Jesus acusado de não o fazer, o resultado esse, abre excelentes prespectivas para o jogo da Luz.
Cardozo mais uma vez a dar um bofetada aos seus críticos ferozes, recordando eu que nas últimas duas épocas fez 61 golos e não presta para as más línguas, imagine-se se fosse goleador.
Artur foi gigante e isso é muito importante para que a equipa confie no seu guarda - redes.

Miguel Sousa disse...

TEMOS INVENTOR: O Homem (Jorge Jesus) inventa que se farta.
Tem vindo a dizer desde o inicio da época, que agora tem mais soluções que no ano (época) passada. Se assim é porque faz adaptações?, tipo Gaitan no corredor (ala) direito, flectindo para o centro, quando este, a exemplo da época passada fazia e muito bem o corredor esquerdo, ficando o lado direito entregue a Salvio. Se na verdade quer utiliza-lo no lado direito, deixando o lado esquerdo para Nolito (que também flecte para o centro) poderá se assim o entender, fazer alternância dos dois (Ora na direita ora na esquerda).
Ao fazer esta adaptação, deixa de servir o ponta-de-lança (Cardozo) que vê-se na obrigação/contingência de vir buscar a bola ao meio campo, para poder ser útil a equipa, sendo este um jogador pesado, que não é veloz (rápido) dificilmente poderá ser útil á equipa como matador que efectivamente é (a época passada é prova disso).
Se o Sr. Inventor quer uma equipa produtiva (criativa), sem Cardozo, deverá prescindir de Axel Witsel em prol de uma equipa mais ofensiva sem invenções ou adaptações, composta do meio campo para a frente por: Javi Garcia, Witsel ou Matić (trinco), Enzo Pérez (flecte para o centro) ou Urreta (Um puro ala que faz melhor que Jara o lado[ala] direito), Pablo Aimar ou Bruno César no meio, Gaitan no lado esquerdo (onde rende mais e como tal mais útil à equipa), Nolito ou Urreta (adaptado) depois no ataque Nolito (centro esquerda) e Saviola (centro direita), jogando assim no esquema 4X4X2. De salientar no ataque ao contrário do que dizem, tem alternativas bastante válidas (Nelson Oliveira, Óscar Cardozo e Rodrigo), sem contar ainda com Jara (muito batalhador) e Rodrigo Mora que não conseguiram ou dificilmente conseguem lugar neste “Benfica 2011/2012”.
Para segurar o resultado e segurar o jogo a meio campo prescindindo da criatividade, terá que contar em definitivo com o excelente jogador que é Axel Witsel.
Em resumo uma equipa com claramente mais soluções que a época passada não tem necessidade de acabar os jogos a sofrer ou com a angustia de perder o desafio (Gil Vicente e Twente). SEM INVENÇÕES CONSEGUIREMOS SAIR VITORIOSOS EM QUALQUER JOGO OU EQUIPA QUE ENFRENTAR-MOS.