abril 09, 2008

Mais dos bois negros...


Lucilio Baptista tem sido abominado por dirigentes e treinadores ao longo da sua marcante carreira que, ao contrário do que muitos julgam, está ainda muito longe do final, uma vez que lhe faltam 3 anos para atingir o limite de idade. Com um número recorde de mais de 213 jogos na 1ª Liga, permite uma análise estatistica clara e revela uma tendência de facto estranha e dificil de justificar. Sobretudo no que diz respeito ao Benfica, clube que não conseguiu vencer nenhum dos ultimos 7 jogos que ele dirigiu no campeonato, Lucilio Baptista apresenta números realmente invulgares levando em consideração a lógica de protecionismo ou favorecimento dos clubes grandes. Em campo, o Benfica teve mais jogadores expulsos, mais cartões amarelos, mais faltas assinaladas e, sobretudo, sofreu mais penalidades do que os adversários.

Em 37 partidas com este árbitro, o Benfica venceu apenas 16, não mais do que 43% (com 10 empates e 11 derrotas), o que realmente não pode ser considerado normal, quando comparativamente com o registo de outros árbitros e com os resultados do clube em geral. Nem no ano em que o Benfica terminou em 6º lugar na Liga o Benfica ficou abaixo dos 50% de triunfos, pelo que existem razões para a desconfiança encarnada – não obstante ter sido o clube que menos desconsiderou o árbitro de Almada ao longo da carreira. Em particular por altura das nomeações, Lucilio Baptista foi sempre mais pressionado por adversários que pelo Benfica – e não faltaram razões e pretextos para o fazer, como na ultima semana em que a Comissão de Arbitragem o premiou com o jogo da semana após um erro flagrante e decisivo na partida entre Belenenses e Porto

O que os dirigente encarnados esta semana contestaram foi a parcimónia de Lucilio Baptista perante uma ou duas situações de grande penalidade evidente, a favor do Benfica, por constraste com decisões semelhantes tomadas em lances menos claros, em outras ocasiões. Com o que assinalou no Bessa, Lucilio Baptista é de longe o juiz que mais vezes assinalou penaltis contra o clube da Luz, um total de seis, o dobro de Paulo Costa ou de Pedro Proença e o triplo de Jorge Sousa, os outros árbitros do quadro da Liga que mais rigorosos se têm mostrado em relação ao Benfica.

O saldo negativo de 5-6 de penaltis de Lucilio Baptista também contrasta com o registo do seu homónimo Paulo Baptista (7 penaltis a favor e 2 contra), o mais flagrante “árbitro amigo” do Benfica a par de João Ferreira (4-0), Bruno Paixão (4-1) ou de Paulo Paraty (4-2), entre os que estão em actividade.

Se em matéria de grandes penalidades não é o unico que as assinala com mais facilidade na área encarnada, como aconteceu no utimo Domingo no estádio do Bessa, é no capitulo disciplinar que gosta de fazer gala da sua “independencia” relativamente aos encarnados. Lucilio Baptista foi de longe o árbitro que mais vezes pôs o Benfica a jogar em inferioridade numérica, contanto do seu rol de expulsões jogadores como Valdo, Poborsky, Simão ou Ricardo Rocha, sem esquecer o ainda defesa esquerdo titular Léo, que já viu o cartão vermelho nas mãos dele por 2 vezes!

Com tantos cartões mostrados ao Benfica – 8 em 37 jogos – quase podia usar, ironicamente, o epiteto de “árbitro vermelho”, para mais explicitamente tentar apagar a tendencia que estatistica das suas acções claramente revela, no que respeita ao Sporting, em particular.

A titulo de comparação, quer com matéria de penaltis, quer de expulsões, o Sporting com Lucilio Baptista ganha de goleada: 10-3 em cartões vermelhos e 8-2 em grandes penalidades. Já o Porto o equilibrio é assinalável, com 3-5 em cartões e 3-3 em penaltis.

A interpretação destes dados não encerra juizos de valor em relação a alegadas premeditações que enquadrariam a acção de alguns árbtiros, levando a sério as acusações destemperadas e mal fundamentadas do presidente do Benfica, desesperado perante mais um resultado negativo. As estatisticas apenas nos ajudam a entender factores que condicionam a competição e que, num periodo tão vasto com os 16 anos consecutivos deste árbitro ao mais alto nivel, constituem um acumulado tendencial que caminha de mão dada com a sucessão de polémicas e contestações pontuais, mais facilmente recordáveis. Lucilio Baptista tem sido contestado por todos os clubes, inclusivamente pelo Sporting, em confrontos de maior notoriedade como os dérbis lisboetas, que os leões nunca ganharam. Mas é um facto que Lucilio Baptista tem tido “azar” nos seus encontros mias recentes com o Benfica, uma série de 7 jogos consecutivos em que os encarnados nunca venceram e conquistaram 4 pontos (!!!!!!!!!) de um total de 21. Apenas uma tendência.

João Querido Manha, in Record.pt

2 comentários:

ToJo980 disse...

Amigos, promovam o meu video:
http://www.youtube.com/watch?v=czkk-QwJ9JA

biohazard disse...

Felizmente ainda há Benfiquistas que nos defendem em lugares onde somos constantemente mal tratados como o ricord.

SAUDAÇÕES BENFIQUISTAS