abril 10, 2008

A união, meus caros, é que faz a força

«Não sou árbitro, sou treinador. Só reclamei [no Bessa] aquilo que vi e que todos viram. Mas não disse mal do árbitro, e sim que não apitou aquilo que foi óbvio, no campo e na televisão. Espero que, esta jornada, o árbitro [do jogo com a Académica, Paulo Baptista] seja correcto para os dois lados. (...) O Benfica não precisa de ajudas, precisa é que as pessoas sejam isentas(...)»

Fernando Chalana

Quem disse que os homens pequenos não dizem coisas grandes? É isso mesmo Chalana. O Benfica não precisa de ajudas, ao contrário de uns quantos, apenas de isenção. Algo que temos vindo a reclamar há mais de uma década. E por que queremos nós isenção e imparcialidade no futebol português? Porque assim sabemos que temos argumentos mais do que suficientes para alcançar tudo aquilo a que nos propomos internamente. Mas também sabemos que esta é uma luta árdua e injusta. Tentar combater um vício tão enraízado nas civilizações latinas como é o da corrupção não é tarefa fácil. E isso vê-se, não apenas no futebol, mas como em tudo.

Enquanto adepto sabia bem o que esperar quando Luis Filipe Vieira desencadeou este processo.

Sabia com o que contar da parte dos média; a forma como tentam empular qualquer situação na vida do Benfica; o engenho básico com que evitam falar do que quer que seja, por mais gravoso que o seja, que se passa no clube das avenças; o elogio da chicoespertice, em detrimento da legalidade.

Sabia com o que contar da parte dos anti-benfiquistas; o refúgio nos maus resultados do glorioso enquanto suposta desculpa para este ataque ao poder podre; o recorrer a estórias mal contadas do passado como meio de desculpabilizar e até justificar esta tendência de prejudicar o Benfica.

Sabia o que esperar de alguns adeptos do Benfica que, embalados pela torrente de notícias modelo, e desiludidos com alguns resultados, deixam-se levar no erro recorrente (e que tanto agrada ao capo) de pedir a cabeça do presidente do clube.

Acima de tudo sabia também o que esperar da maior parte dos dirigentes desportivos deste país; que não demoraria muito até que os burgueses dessem um guia de marcha a Dias da Cunha - como bons lacaios que são, ainda que evitem percebê-lo - escudando-se assim de eventuais represálias por parte dos donos do futebol português (isto tem um nome: cobardia); que se por um acaso cósmico e altamente improvável o apito dourado limpar os podres do nosso futebol esses mesmos burgueses serão os primeiros a vir a público congratularem-se por um desfecho pelo qual, afirmarão sempre terem lutado (regra geral a cobardia faz-se acompanhar por dose igual de hipocrisia); que nenhum terá coragem de deixar de beijar a mão ao capo pois isso poderá implicar acordar com a cabeça de um garanhão no travesseiro onde outrora descansavam suculentas peças de fruta.

Tal como eu, muitos outros sabiam de tudo isto. Nós estávamos preparados para os constantes ataques e tentativas de descredibilização. A pergunta que se põe é: estarão os outros preparados para a união dos verdadeiros benfiquistas? Estarão os outros preparados para a onda de indignação e revolta que se apodera de nós? Estarão os outros preparados para as consequências que a manutenção da mentira que é o nosso futebol acarreta? Eu tenho a certeza que não e esse é mais um motivo para nos unirmos e juntos começarmos a preparar a mudança.

Está mais do que na hora de nos unirmos em torno do Benfica. Mostremos ao frutedo que juntos seremos o pior pesadelo dessa escumalha. Ataquemo-los em todas as frentes. Económica, desportiva e ...

Promovamos o boicote à imprensa como forma de sentirem a nossa força e revolta. Deixemos de de ir ver o glorioso aos pequenos estádios deste país para que tanto esses clubes como a própria liga sintam as consequências económicas do nosso acto. Deixemos o apoio nesses jogos às claques do Benfica que, também elas, deveriam deixar de lado quaisquer quezílias, porque o Benfica tem e deve estar sempre em primeiro. Em contrapartida vamos passar a encher a Catedral e recriar o mítico Inferno da Luz. E não nos resumamos ao futebol. O ecletismo do Glorioso obriga-nos a olhar para esta Instituição enquanto um todo. Façamos com que qualquer atleta que vista o manto sagrado sinta que esta é uma família real.

Que a luta não esmoreça... independentemente dos ventos contrários.

Por ora, tenho dito!

7 comentários:

EL TRAQUE disse...

Nem mais:

ET PLURIBUS UNUM

biohazard disse...

Até estou arrepiado.

Estas tuas ideias eram mesmo um cenário ideal. O INFERNO DA LUZ de novo no seu auge era o suficiente para os adversários se borrarem todos antes de entrarem em campo.

SAUDAÇÕES BENFIQUISTAS

O INFERNO DA LUZ disse...

Os actuais jogadores do Benfica não se dão ao respeito. O respeito que devem aos milhões de adeptos espalhados pelo Mundo. Olho para Fernando Chalana e vêm-me à memória as milhares de horas de alegria que ele me ofereceu. Olho para aqueles jogadores do Benfica e não digo o que sinto.
O que podem dizer agora aqueles homens que mancharam uma camisola gloriosa aos milhões de adeptos? O que podem dizer a Chalana, a Shéu, a Rui Águas, a João Alves, a Néné, a Pietra, que com eles convivem todos os dias? Eu sei o que diria Chalana, que só não o disse na conferência de Imprensa por pudor: “Pedimos desculpa”.
É isso: “Pedimos desculpa”.

Francisco Martinho disse...

BRIOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOSA !!!!!!

mafegos disse...

Para se lutar contra o apito dourado tem que se ser honesto e isso é coisa que não revejo no nosso presidente.O Vieira disse que preferia dominar a liga a ser campeão,o Vieira foi buacar o Veiga,agora tem la o Paulo Gonçalves,portista convicto que trabalhava no bessa,veio para o Benfica porque conhece os meandros da liga?
Afinal como é que estamos,queremos também ganhar por fora das quatro linhas?
Se em termos financeiros parece estarmos mais ou menos,isso depois de ele sair é que se vai ver,no que diz respeito a alma,a nossa alma esta demasiada ferida,em todas as modalidades.
Temos que pôr este tipo de lá para fora,o mais rapido possível,em quanto é tempo.
Ainda pago as quotas por amor ao meu Benfica e não por esta corja que esta na sad.
Quantos benfiquistas tem a Sad?

Anónimo disse...

A Sad pode ter poucos benfiquistas, mas tem competentes- é o caso do Domingos Soares de Oliveira - que brilhante trabalho desempenhado no Benfica mas há quem prefira grandes gestores BENFIQUISTAS como o Damásio e o Vale e Azevedo.

eu quero é dirigentes competentes, o benfiquismo ou não é secundário.

FORÇA BENFICA

Anónimo disse...

Estão a emprurrar nos para baixoooooooo