dezembro 04, 2008

Considerandos...

Tanto que há para dizer e tão pouco tempo que tenho para o fazer. Infelizmente não tenho podido dedicar o tempo que este blog merece. Seja pelos afazeres profissionais, seja pelas exigências da vida pessoal. No entanto, sempre que encontro uma nesga de tempo, aproveito para dedicar algumas linhas à vida do Glorioso.

Desta feita, e por estarmos tão perto da reabertura do mercado, venho tecer algumas considerações sobre o nosso querido plantel!
Sendo óbvio que demos um gigantesco salto qualitativo, se comparado com a época transacta, não deixa de ser menos evidente que ainda apresentamos diversas lacunas. Há sectores verdadeiramente desiquilibrados na equipa do Benfica. O mais evidente está nas alas - tanto a nível defnsivo como a meio campo.

Onde está o lado direito do Benfica? Maxi Pereira, esforçado e com um início de época bastante positivo, não chega para as encomendas. E se continuam a exigir dele o mesmo esforço é mais do que certo que lá mais para o meio da época dará o berro. É por isso imperativo uma solução que possa funcionar numa lógica de rotatividade.
Depois, se avançarmos no terreno, ainda do mesmo lado, quem encontramos nós que funcione como ala de raiz? O único que temos, de raíz, é um tal de Balboa que não dá mostras de entender que foi contratado para jogar futebol. Assim, e à falta de soluções, a Quique não tem restado senão adaptar médios centro a essa posição sendo o mais solicitado Rúben Amorim. É verdade que não tem comprometido, antes pelo contrário, mas a aptidão para fazer o corredor não é a mesma. Portanto, e feitas as contas, é imperativa a vinda de um defesa lateral direito e de um médio ala direito... e de preferência desses que sabem o que é e como se joga futebol.

Depois temos o outro lado do terreno- o esquerdo. Aquele em que no início da liga estávamos mais do que bem servidos mas que, de um momento para o outro, se tornou tão curto que nos deixou sem soluções.
Na defesa começámos com Léo e Ribeiro. Agora um está no Brasil (devidamente autorizado pela direcção, para acompanhar o grave estado de saúde do pai) e o outro está no estaleiro. Resultado: estamos sem defesas esquerdos até ao fianl do ano. Dirão os mais optimistas: «não há crise, adapta-se um central!». Pois, respondo eu, adapta-se!!!
Um pouco mais lá na frente a coisa não está melhor. Com a lesão de Di Maria sobrou-nos Reyes. No entanto, e tendo em conta as entradas violentas dos adversários, sistemáticamente autorizadas pelos bois negros, o mais certo é perdermos o espanhol por lesão mesmo antes do argentino recuperar. Igualmente preocupantes são as notícias que dão conta de uma possível saída de Di Maria na reabertura de mercado. É que, já se sabe, quem de 2 tira 1... é fazer as contas!

Outra pecha, esta já crónica, é a do famoso número 10. Depois da exultação com a vinda do astro Aimar, veio a resignação com as constantes lesões do médio criativo. A princípio parava a cada jogo que fazia. Houve uma ligeira melhoria e agora já consegue fazer 2 jogos seguidos... depois, estaleiro! Não pode. Tem, forçosamente, de haver uma alternativa credível no plantel. E por favor, não se virem para o Carlos Martins. Não é justo para ele nem para os adeptos. O Carlos não é um número 10... isso parece evidente.

Assim, e passando ao lado dos centrais, médios defensivos/centro e avançados, posições em que temos jogadores de grande qualidade; ignorando momentaneamente a questão dos guarda-redes (ficará para outras núpcias), parece óbvio que o desiquilíbrio do nosso plantel está, acima de tudo, nas alas. Um desiquilíbrio bem visível nas exibições da nossa equipa e que acaba por afectar a prestação dos elementos que jogam mais no miolo.
Claro que esta é apenas uma análise de bancada. Bastante superficial. Cabe a quem dirige os destinos do nosso clube uma análise mais aprofundada e equilibrada das necessidades do nosso plantel. E aí continuo seguro da categoria do Rui Costa. Espero apenas que Luis Filipe Vieira continue a dar o apoio que ele merece.

Até lá, e enquanto adepto e sócio, resta-me esperar e, por que não dizê-lo, exigir dos nossos jogadores a máxima entrega em campo.

Hasta...

2 comentários:

biohazard disse...

Pois, lá voltamos à vaca fria.
De facto precisamos de soluções nas alas, que, no caso da ala direita, deveriam ter sido encontradas no início do campeonato em vez de agora termos de remendar a equipa.

O 10 também é indispensável, nem que seja pra jogar quando o Mágico está lesionado, isto é, jogo sim jogo não.

Só mais uma coisa, é verdade que não tens aparecido muito por aqui mas o blog tem estado muito bem entregue ao benficaatemorrer.

SAUDAÇÕES BENFIQUISTAS

benficaatemorrer disse...

A participação sempre pertinente do LF2P é como um barómetro de emoções! Quando um gajo escreve sozinho durante muitos dias, o blog ganha uma direcção um pouco autista no sentimento dos post... Ele aparece pouco, mas quando aparece trata logo de esticar uns fios "blue" nas lajes do raciocínio!

Biohazard, sempre presente neste blog sempre Benfiquista!