dezembro 02, 2008

Um dia a paciência esgota-se

Sobre o jogo de ontem, que podemos dizer? Que o árbitro de Gaia equivocou-se convenientemente em claro prejuízo para o Benfica? Sim, podemos dizê-lo... até o podemos afirmar a pés juntos e com plena consciência da nossa razão. Mas poderá o erro duplo (não sancionamento do golo e não expulsão do sarrafeiro sadino) desse tipo justificar tudo? Não... claro que não!

Ficou claro que há demasiado mimo naquele grupo de simpáticos rapazes de ordenados que, mais ou menos chorudos, fazem envergonhar a generalidade das contas bancárias dos milhares de benfiquistas que orgulhosamente fazem ecoar o nome do glorioso! Jogam quando querem e da forma que mais lhes apetece. E por que o fazem eles? Porque no fim a culpa há-de cair sempre no mesmo. Tem sido assim nos últimos anos. Todos devoram o enorme bolo rei que é o Benfica mas a fava calha sempre ao mesmo.... o treinador!

Então aqueles tipos acham que 15 minutos chegam para garantir os 3 pontos? Não sabem que do outro lado há, regra geral, uma equipa composta por 14 jogadores? E os constantes avisos e correcções do treinador para o terreno? Servem para quê? Para inglês ver? Só pode. É que no relvado não se vê a devida resposta da parte daqueles que deviam sentir o peso daquele manto sagrado. Digam o que disserem, barafustem o que quiserem, mas vejo mais culpa nos jogadores do que no próprio treinador. Mas essa é a minha opinião.

Claro que se a tudo isto juntarmos as ofertas do Quim... bem... então temos um prato cheio de.....

Mas sabem o que é que mais me chateia? É que no fim, quem mais incomodado fica com tudo isto, somos nós. Afinal de contas, para eles, os jogadores, aquilo não passa de um emprego!

5 comentários:

biohazard disse...

Já o disse noutro blog, custou mais este resultado que a goleada com os gregos.

Não percebo porque razão não continuámos a jogar da mesma forma que jogámos até atingir o 2-1, até o jogo estar decidido com 3-1 ou 4-1.

Eu não quero acreditar nisto, mas parecia que estavam com medo do Setúbal.
Esperemos correcções, principalmente de atitude, já no próximo jogo.

SAUDAÇÕES BENFIQUISTAS

Anónimo disse...

OFF TOPIC,

ESTÁ UM PALHAÇO CHAMADO RICARDO PT, NUM BLOG BRASILEIRO, A FALAR DAS GOLEADAS DO BENFICA, A TENTAR HUMILHAR O BENFICA, E A DIZER QUE SE NÃO FOSSEM OS ÁRBITROS EM PORTUGAL, O BENFICA ERA MAIS VEZES GOLEADO!!!

EU NÃO TENHO TEMPO, PARA ESTAR SEMPRE A POR ESTE PORCO, NO LUGAR DELE, PELO QUE, SE ALGUEM PODER, VÁ LÁ, E DIGAM-LHE UMAS VERDADES!!

http://colunas.sportv.com.br/jogoaberto/2008/12/01/futebol-europeu-6/#comment-418175


ALGUÉM PODE-ME DIZER AS MAIORES GOLEADAS DO PORTO NA EUROPA?????

OBRIGADO

Anónimo disse...

Finalmente o Sr. Quique acertou na extrutura/distribuição da equipa dentro de campo - Agora só falta o Jorge Ribeiro a meio campo, para que na realidade possa haver maior consistência no meio campo e maior apoio ao ataque, jogando assim Lheo (quando vier do Brasil?) a defesa esquerdo. Quando Pablo Aimar estiver operacional, jogar no lugar de Carlos Martins, derivando este para a direita ou deixando Ruben Amorim – Falta ainda ao Benfica uma maior entrega/atitude ao jogo que passa por: 1) Mais consistência/agressividade no meio campo, acompanhado de um maior acerto nas marcações nessa zona 2) Um Benfica mais dinâmico/rápido a exemplo dos 1ºs 15 minutos da 2ª parte (Até à altura do 2º golo) 3) Preocupação dos jogadores/treinador, na posição natural no terreno, dando um maior contributo ao jogo/espectáculo e ao mesmo tempo uma maior agressividade ofensiva 4) Menos frangos do Quim e melhores árbitros (diferentes daquele que nos anulou o 3º golo e esqueceu no bolso o vermelho ao jogador do Setúbal)! – Se assim for, vamos finalmente no bom caminho.

Benfiquista Açoriano disse...

Estou completamente de acordo com o post. Os mais novos não poderão lembrar-se mas, até aos anos oitenta, na Luz, aos jogadores do Benfica não bastava ganhar, era necessário esmagar, continuar a forçar as defesas contrárias. A exigência parava no apito final.

Os espectadores não perdoavam um único pé levantado do acelerador. Todo o betão do estádio estremecia sempre que a equipa recuperava a bola. Os jogadores eram impulsionados como molas pela força que lhes vinha das bancadas. Qualquer equipa média portuguesa mobilizava mais de cinquenta mil adeptos no estádio. Eram os gloriosos tempos da mística. Viva e vivida entre as bancadas e a relva. Do futebol ao domingo à tarde. Isto caro amigo BENFIQUISTA "Era" o BENFICA "Era"... Agora é outra realidade!!! Mas todos nós BENFIQUISTAS já sabemos que quase sempre jogamos contra 14. Só há uma maneira de ultrapassar isso é, jogar sempre até ao limite e deixar tudo em campo e a qualidade deste plantel fará o resto. Assim quando o "boi de negro" errar, o resultado estará conseguido. Se o BENFICA tivesse continuado a pressionar o Setúbal como fez até ao 2º golo, teria marcado com toda a certeza mais golos e aí, o erro do árbitro seria inútil. Se conseguirmos ser sempre melhores durante os jogos a "verdade" virá ao de cima. Saudações BENFIQUISTAS.

Anónimo disse...

força BENFICA SEMPRE ...